Créditos

Reembolsos antecipados de crédito à habitação ascenderam a 6.600 ME em 2022

Julho 18, 2023 · 2:33 pm
Foto de Carlos Pernalete Tua no Pexels

Os reembolsos antecipados de crédito à habitação subiram em 2022, tendo os clientes pago antecipadamente 6.600 milhões de euros, mais 15% do que em 2021, divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP).

Segundo o regulador e supervisor bancário, no ano passado, houve 141.952 reembolsos antecipados em contratos de crédito à habitação, num montante de cerca de 6.600 milhões de euros, mais 15,1% do que no ano anterior, e “o aumento foi mais acentuado na segunda metade do ano”.

As famílias decidiram reembolsar antecipadamente o crédito (parcial ou totalmente) face ao período de aumento das taxas de juro de referência, que faz aumentar o preço do empréstimo e logo a prestação mensal, e aproveitando o início do período de suspensão temporária da penalização por reembolso antecipado.

Renegociações aumentam

Também as renegociações de créditos aumentaram, neste caso 17,4%, tendo o montante renegociado aumentado 38,4%. “Foram realizadas 41.332 renegociações, abrangendo 39.417 contratos de crédito à habitação e um montante total renegociado de aproximadamente 4.200 milhões de euros”, refere o BdP no Relatório de Acompanhamento dos Mercados de Crédito, referente a 2022.

Em 2022, o montante concedido de crédito à habitação aumentou 6,8%, abaixo do crescimento de 36,4% de 2021, mas ainda assim acima dos níveis registados antes da crise da covid-19.

O montante de crédito à habitação concedido foi desacelerando ao longo dos trimestres, segundo o BdP, e no último trimestre de 2022 acabou mesmo por cair 14,2%, com o abrandamento do crédito a acompanhar o contexto de subida significativa das taxas de referência Euribor.

No ano passado, em média, foram feitos 9.644 contratos de crédito à habitação por mês, tendo o crédito total concedido sido de 1.313 milhões de euros. O montante médio por contrato de crédito à habitação foi de 136.143 euros, mais 7,5% do que em 2021.

No final de 2022, os bancos tinham em carteira cerca de 1,5 milhões de contratos de crédito à habitação (mais 4,5% que no ano anterior), o que correspondia a um saldo em dívida de 100,9 mil milhões de euros (mais 6,4%).

Contratos com taxas mistas e fixas aumentam

O prazo médio dos novos contratos diminuiu de 32,9 para 31,8 anos, enquanto nos contratos em carteira dos bancos o prazo médio aumentou ligeiramente (de 33,5 anos para 33,6 anos).

Em 2022, 80,8% dos contratos de crédito à habitação tinham taxa variável, ainda assim abaixo dos 84,9% de 2021. Já a taxa mista aumentou, de 10% dos contratos em 2021 para 12,3% em 2022, assim como a taxa fixa de 5,1% para 6,4%.

O ‘spread’ (margem de lucro comercial) médio dos novos contratos com taxa variável voltou a diminuir ligeiramente, fixando-se em 1,09 pontos percentuais (1,14 em 2021).

Fonte: Lusa

Dinheiro

Preços das casas em Portugal aumentaram 111% desde 2015

O diretor do FMI para a Europa considera que correção dos preços das casas não será repentina.

Impostos

IRS: o que muda nos novos escalões

O Governo alargou o alívio fiscal até ao 8.º escalão.

Créditos

Sabe quanto pagou de juros no mês passado?

Perceba quanto amortizou no empréstimo da casa.

Leia mais

Portugal regista 2ª maior subida na produção na construção na UE

Os principais avanços registaram-se em Espanha (8,3%), Portugal (4,4%) e República Checa (3,7%).

Habitação

Câmara de Lisboa propõe “discriminação positiva” de residentes no acesso à renda acessível

Medida visa beneficiar residentes das freguesias sob maior pressão urbanística.

Dinheiro

Preços das casas em Portugal aumentaram 111% desde 2015

O diretor do FMI para a Europa considera que correção dos preços das casas não será repentina.

Impostos

IRS: o que muda nos novos escalões

O Governo alargou o alívio fiscal até ao 8.º escalão.