Créditos

Portugal entre os países europeus com mais crédito à habitação a taxa variável

Julho 24, 2023 · 8:23 am
Foto de Leandro Silva no Unsplash

Portugal é dos países europeus com mais crédito à habitação a taxa variável, a principal proposta dos bancos para quem precisa de empréstimo para comprar casa que implica incerteza para as famílias em momentos de subida de juros.

Segundo dados do Banco Central Europeu (BCE), que fazem comparação entre vários países da União Europeia, em maio deste ano, 73,15% do novo crédito à habitação foi feito a taxa variável.

Com mais empréstimos a taxa variável, em maio, ficaram apenas Estónia (91,20%), Finlândia (98,10%), Letónia (90,42%) e Lituânia (96,48%). Já em Espanha apenas 22,33% dos créditos à habitação foram a taxa variável e na Bélgica a proporção é ainda menor, apenas 7,62%.

Para o total do ‘stock’ do crédito à habitação, o BCE não tem dados. Segundo o Banco de Portugal, 90% do ‘stock’ de crédito à habitação em Portugal é a taxa variável.

Estudos indicam taxa variável como mais favorável

Ainda que estudos baseados no histórico das últimas décadas indiquem que a taxa variável tem sido mais favorável a longo prazo, no imediato os clientes bancários ficam sujeitos às variações dos juros e, logo, da prestação mensal. O que em famílias com orçamentos ‘à justa’ significa um grande problema e, nos últimos meses, levou a milhares de reestruturações e renegociações.

No início do ano, no âmbito de medidas sobre habitação, o Governo obrigou os bancos a disponibilizar ofertas de taxa fixa. Então, vários bancos reagiram dizendo que já tinham essa oferta e fontes do setor referiam que muitos clientes é que não se tinham precavido atraídos pela Euribor em valores negativos.

Informações recolhidas pela Lusa indicam que a oferta de taxa fixa em Portugal sempre foi pouca e restrita. Os bancos pouco a propunham e era geralmente de médio prazo, não abrangia a duração total do empréstimo. Era ainda pouco atrativa, sendo grande o diferencial da prestação mensal com taxa variável face à prestação mensal com taxa fixa.

Subida dos juros asfixia famílias

Maria Alves comprou casa em Lisboa em 2017. Foi a vários bancos e, segundo conta, nunca lhe foi proposta taxa fixa. O crédito tem um ‘spread’ de 1,2% (já revisto, pois o inicial era mais alto) e está indexado à Euribor a seis meses. A prestação inicial de 300 euros custa agora mais de 500. A bonificação de juros aprovada pelo Governo foi recusada por ainda não atingir a taxa de esforço estabelecida na medida quando, diz, tem conseguido pagar “com muito esforço”. Teme que na próxima revisão, em outubro, já não consiga pagar com o ordenado e tenha de recorrer às poucas poupanças.

Joana Magalhães comprou casa em 2021 quando os preços em Lisboa eram já muito altos. Pediu 300 mil euros de crédito para poder comprar um apartamento de 100m2. Houve apenas um banco que lhe falou de taxa fixa, mas a diferença seria pagar 900 euros de prestação com taxa variável ou mais de 1.300 euros com taxa fixa.

“Era muito, muito acima e logo desincentivador”, conta, acrescentando que andou a ler e a informar-se e que tudo dizia que, na duração total do empréstimo, pagaria muito mais pela casa ao banco se optasse pela taxa fixa do que pela variável.

Com o aumento das taxas de juro, a prestação aumentou tanto que em março teve de negociar uma carência de capital, pagando agora cerca de 500 euros só em juros. Mas já sabe que, na próxima revisão, só em juros pagará 1.250 euros.

Questionada sobre o que fará quando acabar a carência, diz que o banco “vai ter de fazer alguma coisa, senão acabou”, ou vende a casa ou a entrega ao banco porque não pode pagar uma prestação que estima atingir os 2.000 euros.

Joana já tentou mudar o crédito para outro banco onde conseguiu condições melhores, contudo, não pôde fazê-lo por a sua taxa de esforço estar acima de 50%.

“O Banco de Portugal, ao manter esta norma em período de crise, impede as pessoas de mudar de banco. Ou as pessoas têm empréstimos mais antigos e mais baixos ou quem tem empréstimos mais recentes e mais altos, como eu, não consegue. Isto beneficia novamente os bancos que fazem o que bem entendem porque sabem que as pessoas têm dificuldades em mudar”, considera.

Taxa fixa desaconselhada pela banca

Paulo Fontes, quando comprou casa com a mulher em 2018, correu vários bancos na zona do Porto e “sugeriram sempre taxa variável”. “Perguntei da taxa fixa e disseram-nos que nem valia a pena pensar nisso, pois iríamos perder dinheiro”, afirmou à Lusa.

Para um empréstimo de 140 mil euros a 30 anos ficaram com uma prestação de 460 euros. Em 2022, vendo que a prestação iria para valores que não conseguiriam pagar, passaram o crédito do banco comercial para Cofre de Previdência dos Funcionários e Agentes do Estado, com taxa fixa, e têm agora uma prestação de 500 euros para toda a duração do empréstimo.

“Falei há duas semanas com o que era meu gestor de conta que me disse que, se não tivesse mudado, estaria a pagar perto de 900 euros”, afirmou à Lusa.

Na Bélgica é muito comum a taxa fixa ser proposta pelos bancos e o diferencial face à variável não ser tão grande, pelo que muitos a preferem para não correr riscos. Assim, atualmente, a subida dos juros não é diretamente um problema para quem paga casa ao banco. Os trabalhadores na Bélgica beneficiam ainda de os salários subirem obrigatoriamente todos os anos consoante a inflação.

Bruno da Silva e a mulher compraram casa em Bruxelas em 2022, já após o início da guerra na Ucrânia e quando já se previa o aumento dos juros, com um crédito a 25 anos. Nos primeiros 20 anos pagam uma taxa fixa de 1,3%. Depois, é revista para os cinco anos seguintes em função das taxas de mercado, mas não pode ser superior a 2,6%.

“As soluções variavam muito de banco para banco, optámos por este, mas as condições para taxa fixa para todo o contrato não eram muito piores”, conta à Lusa, explicando que foram as condições favoráveis que lhes permitiram comprar uma casa de quatro andares na capital belga pagando 1.400 euros, pouco acima dos 1.300 euros de renda que pagavam pelo apartamento. Em Portugal, diz, não sente que os reguladores e a “legislação protejam as pessoas”.

A espanhola Lourdes Vega e o marido compraram casa em maio de 2020 numa cidade próxima de Madrid. Então fizeram crédito com taxa fixa de 1,74% por 20 anos. “Podíamos ter feito a taxa fixa ou variável, mas decidimos fixa. Com uma taxa abaixo de 2% não valia a pena arriscar”, disse à Lusa.

Fonte: Lusa

Créditos

Taxa de juro implícita diminui pelo quarto mês consecutivo

Os juros representaram 61% da prestação média do crédito à habitação em maio.

Dinheiro

Rendas das casas sobem 7,1% em maio

Lisboa registou o maior aumento, de acordo com o INE.

Impostos

Aprovada isenção de IMT e do imposto de selo para jovens na compra de casa

A proposta do Governo foi aprovada com os votos a favor de PSD, Chega, IL, CDS-PP e PAN.

Leia mais

Habitação

Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa

Estudo da JLL destaca capital portuguesa entre 40 cidades europeias.

Habitação

Descubra quanto gastam os portugueses em habitação

Encargos com habitação com mais importância relativa na despesa média das famílias.

Habitação

Segurança e abertura são “pontos fortes” de Lisboa

O Barómetro de Cidades Inclusivas analisa o desempenho de 46 cidades em quatro dimensões de inclusão.

Créditos

Taxa de juro implícita diminui pelo quarto mês consecutivo

Os juros representaram 61% da prestação média do crédito à habitação em maio.