Alojamento Local

Porto aprova suspensão de novos alojamentos locais por mais seis meses

Abril 4, 2023 · 9:56 am
Foto de Square Lab no Unsplash

A Assembleia Municipal do Porto aprovou, por maioria, a suspensão de novos registos de Alojamento Local (AL) na cidade por mais seis meses, com críticas às medidas anunciadas pelo Governo para esta atividade e para a habitação.

A prorrogação da suspensão de novas licenças de AL por mais seis meses, ou até à entrada em vigor do novo regulamento, foi aprovada, com os votos favoráveis dos eleitos do movimento independente “Rui Moreira: Aqui Há Porto”, do PS, do BE, do PAN e da CDU, com a abstenção do PSD e dois votos contra do movimento independente.

PSD contra a suspensão

Na sessão, que decorreu na segunda-feira à noite, o eleito do PSD Rodrigo Passos defendeu que o Governo “quer matar o AL e atacar violentamente os pequenos e médios empresários” de uma atividade que “gerou milhares de postos de trabalho e foi diretamente responsável pela reabilitação do património na cidade”.

Na sessão, que decorreu na segunda-feira à noite, o eleito do PSD Rodrigo Passos defendeu que o Governo “quer matar o AL e atacar violentamente os pequenos e médios empresários” de uma atividade que “gerou milhares de postos de trabalho e foi diretamente responsável pela reabilitação do património na cidade”.

Já o deputado único do PAN, Paulo Vieira de Castro, afirmou que a não suspensão de novos registos seria “um passo em falso” por parte do município que, considerou, “poderá estar refém de uma decisão do Governo”, referindo-se ao programa Mais Habitação.

Destacando que o PS “continua a estar alinhado sem reservas” com a posição do município, o eleito Agostinho de Sousa Pinto disse ser preciso “construir uma cidade melhor e para todos”.

Pelo BE, Susana Constante Pereira disse fazer “todo o sentido” o prolongamento da suspensão de novos registos de AL, mas defendeu que a discussão em torno do AL se prende essencialmente com “o acesso à habitação”. À semelhança do BE, também Francisco Calheiro (CDU) destacou que a discussão sobre o AL não pode ser “desligada de tudo o resto”, em particular, das políticas de habitação.

400 participações na consulta pública

Em resposta aos deputados, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, esclareceu que a prorrogação da suspensão vai permitir “analisar com cuidado” as cerca de 400 participações resultantes da consulta pública, bem como as medidas do programa Mais Habitação.

O novo Regulamento do AL do Porto, cujo período de consulta pública termina hoje, será apresentado este mês, adiantou, em declarações aos jornalistas no final de março, o vereador da Economia da Câmara do Porto.

O regulamento estabelece “áreas de contenção” nas freguesias com mais pressão urbanística, tendo por base o número de fogos disponíveis para habitação permanente ou arrendamento de longa duração e os estabelecimentos disponíveis para AL.

Impacto das medidas do “Mais Habitação”

A discussão em torno do AL passou rapidamente a centrar-se nas medidas anunciadas pelo Governo, em particular, nas políticas públicas de habitação e no apoio à renda, que, na segunda-feira, motivou o envio de uma carta por Rui Moreira à ministra da Habitação.

Aos deputados, o autarca independente disse acreditar que as medidas do Governo assentam em “experimentalismo populista” e, devido à atribuição do apoio à renda, o município está em conversações com o Ministério da Habitação para evitar que o programa Porto Solidário “seja extinto”, conforme anunciou na missiva enviada a Marina Gonçalves.

O regulamento do programa municipal determina que “nenhum candidato ou elemento do agregado familiar poderá estar a beneficiar de outros programas de apoio ao arrendamento em vigor”, esclareceu o autarca, lembrando que tal como está, o regulamento tem de ser alterado e a alteração implica uma discussão pública, assim como a autorização do Tribunal de Contas.

“O que pedimos à ministra [da Habitação] é que os seus serviços possam encontrar uma forma de não termos de acabar com o regulamento e fazer um novo”, esclareceu.

No decorrer da intervenção de Rui Moreira, Agostinho de Sousa Pinto defendeu ser “preciso compatibilizar as diferentes fontes de apoio” e assegurou que nenhuma família deixará de ser apoiada devido a um regulamento.

Pelo movimento independente “Aqui Há Porto”, Raul Almeida disse ser necessária “uma solução” para resolver a incompatibilidade dos apoios, defendendo que “quando chega a altura de ajudar os que mais precisam, o Governo não chega aos calcanhares do município do Porto”.

Fonte: Lusa

Créditos

Taxa de juro implícita diminui pelo quarto mês consecutivo

Os juros representaram 61% da prestação média do crédito à habitação em maio.

Dinheiro

Rendas das casas sobem 7,1% em maio

Lisboa registou o maior aumento, de acordo com o INE.

Impostos

Aprovada isenção de IMT e do imposto de selo para jovens na compra de casa

A proposta do Governo foi aprovada com os votos a favor de PSD, Chega, IL, CDS-PP e PAN.

Leia mais

Habitação

Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa

Estudo da JLL destaca capital portuguesa entre 40 cidades europeias.

Habitação

Descubra quanto gastam os portugueses em habitação

Encargos com habitação com mais importância relativa na despesa média das famílias.

Habitação

Segurança e abertura são “pontos fortes” de Lisboa

O Barómetro de Cidades Inclusivas analisa o desempenho de 46 cidades em quatro dimensões de inclusão.

Créditos

Taxa de juro implícita diminui pelo quarto mês consecutivo

Os juros representaram 61% da prestação média do crédito à habitação em maio.