Patrícia Santos

CEO da Zome

Opinião

Juntos, podemos tornar os nossos bairros mais sustentáveis

14 Setembro, 2023 · 14:02

Cada vez procuramos mais conforto e conveniência nos nossos lares (domótica, ar condicionado, todo o tipo de eletrodomésticos e gadgets que nos facilitam a vida) que sendo legítimo, tem um custo energético.

Se continuarmos a aumentar a produção elétrica, tal como tem sido feito, iremos também aumentar a poluição atmosférica e agravar ainda mais os impactos da mudança climática. Sendo necessário que novas tecnologias, para produção de energia, sejam desenvolvidas, para que esta globalização de maior conforto e consumo resultem em abundância e não em devastação, até lá, cada um de nós tem a responsabilidade de contribuir para preservar este planeta para as gerações vindouras.

Sejamos ECOlógicos e EGOlógicos tendo a consciência que isto nos afeta e que é um problema que compete a cada um de nós resolver, enquanto civilização e não apenas ficar à espera que políticos e governantes o façam.

Não é sobre mudar o mundo, mas sim sobre mudarmos o nosso comportamento e pensamento e termos a consciência que os recursos são escassos face ao crescente aumento da população.

No campo energético há várias pequenas coisas que podemos fazer, que se todos fizéssemos, estaríamos já num cenário muito diferente!

Se teve a paciência de ler até aqui, convido a fazer 2 exercícios:



  1. No próximo passeio pela cidade, olhe para as encostas, onde tipicamente conseguimos ver os telhados das casas, e conte quantas casas têm painéis fotovoltaicos para auto-consumo.

  2. Olhe para o certificado energético da sua casa e veja as recomendações de como torná-la mais eficiente do ponto de vista energético.



"Somos a primeira geração a sentir os impactos da mudança climática e a última geração que pode fazer algo sobre isso." - Ex-Presidente dos EUA, Barack Obama


Durante muito anos trabalhei na área das energias renováveis, e não sendo a solução, ainda, para o défice energético que temos, é um recurso inesgotável que num país como Portugal, temos obrigação de tirar muito mais partido do seu potencial!

Cada um de nós pode contribuir para um futuro mais sustentável, começando pela nossa própria casa, investindo em soluções, para as tornar mais eficientes energeticamente, não só vamos reduzir o consumo de energia como as emissões de gases de efeito estufa.

E que soluções são estas, para sermos mais ECOlógicos e EGOlógicos? Na verdade, são soluções simples e existem apoios financeiros para ajudar a realizar estas melhorias de forma mais acessível.

Vou começar pelas soluções que podem ter um impacto mais significativo na eficiência energética da sua casa:

Sistemas solares fotovoltaicos:

Convertem a luz solar em energia elétrica. Esta energia pode ser usada para alimentar a sua casa, reduzindo o seu consumo de energia da rede elétrica, podendo ainda vender a produção excedente, se for o caso.

Bombas de calor:

Um tipo de aquecimento que utiliza a energia do ar exterior para aquecer a sua casa e são mais eficientes do que os sistemas de aquecimento tradicionais, como as caldeiras a gás.

Janelas eficientes:

Reduzem a perda de calor no inverno e a entrada de calor no verão, podendo ajudar a reduzir o consumo de energia de aquecimento e arrefecimento.


"Sejamos ECOlógicos e EGOlógicos tendo a consciência que isto nos afeta e que é um problema que compete a cada um de nós resolver, enquanto civilização e não apenas ficar à espera que políticos e governantes o façam."


De acordo com o relatório final do PAE+S II, estas três intervenções, que em 2021/2022 representaram 87,1% das melhorias realizadas e apoiadas, contribuíram para:



  • Mais de 38 mil ton CO2 evitadas/ano,

  • Redução de mais de 486 mil MWhep/ano de consumo de energia primária,

  • 52 MW de capacidade adicional de produção de energia renovável.


Existem ainda outras formas de melhorar a eficiência energética da sua casa, como:



  • Isolamento térmico, que ajuda a manter o calor no inverno e o fresco no verão. Pode ser instalado nas paredes, tetos e coberturas.

  • Hábitos de consumo responsável, como desligar as luzes quando não estão a ser usadas, reduzindo o consumo de energia.


Como referi existem apoios financeiros e são disponibilizados pelo Fundo Ambiental, sendo as principais medidas de apoio as seguintes:



  • PAE+S*: O Fundo Ambiental concede subsídios até 85% do custo das medidas de eficiência energética, com um limite máximo de 7.500 euros por beneficiário, podendo, agora, como arrendatário também beneficiar deste subsídio, desde que apresente um contrato de arrendamento válido e devidamente registado.

  • Programa de Apoio a Condomínios Residenciais (PACR)**: Este programa destina-se a edifícios de habitação multifamiliares e concede subsídios até 80% dos custos por cada tipologia de intervenção de isolamento térmico, com um limite máximo de 150.000 euros por candidatura.

  • As candidaturas ao PAE+S estão abertas até 31 de outubro de 2023 e as do PACR até 28 de dezembro de 2023, ou até se esgotar a dotação prevista.


Cada ação conta. Juntos, podemos mudar o mundo!

Uma casa mais eficiente energeticamente é uma casa mais sustentável. Ao investir em soluções para tornar a nossa casa mais eficiente energeticamente, estamos a contribuir para um futuro mais sustentável não só para o nosso bairro, mas também para o planeta.

A mudança começa por nós! Tornando-nos ECOlógicos e EGOlógicos, vamos “Mudar Vidas, Juntos!”

Destaques Casa Yes

Créditos

Bancos devolveram 8,3 ME por comissões e juros indevidos

Reclamações de clientes bancários dispararam no ano passado.

Habitação

Loures vai ter 152 novas casas a custos controlados

O município constrói um projeto de habitação a custos controlados financiado pelo PRR. O montante do investimento ascenderá a cerca de 22 milhões de euros.

Créditos

Bancos só aceitaram um terço dos pedidos de fixação da prestação

O número de créditos à habitação em risco de incumprimento aumentou de forma significativa em 2023, segundo o Banco de Portugal.