Habitação

Milhares voltam às ruas em protesto pelo direito à habitação

Janeiro 29, 2024 · 10:29 am

Milhares de pessoas saíram este sábado à rua, em Lisboa, Porto e várias cidades do país em defesa do direito à habitação e para exigir aos partidos, a menos de dois meses das eleições legislativas, respostas concretas.

“Eu quero teto, quero chão, quero o direito à habitação”, “A cidade é para morar, não é só para trabalhar” ou “Eu não aguento mais viver em casa dos pais” foram algumas das repetidas ao longo de mais de duas horas de protesto.

Milhares nas ruas de Lisboa

Aproximavam-se as 16:00 quando a manifestação, convocada pela plataforma Casa Para Viver, saiu da Alameda Dom Afonso Henriques em direção ao Arco da Rua Augusta.

Entre a multidão de vários milhares de pessoas, elevavam-se cartazes com mensagens que descreviam uma nova Lisboa, “já não menina e moça, só precária”, uma “Lisbolha especulativa”.

“Cheguei a Lisboa há apenas seis meses e estou a ser diretamente afetado com o aumento das rendas”, contou à Lusa Renan Schiavon.

O jovem brasileiro de 26 anos está a estudar em Portugal e mal chegou deparou-se com a realidade da crise na habitação que o país enfrenta. Arrendou um quarto por mais de 400 euros, sem contrato, numa casa que partilha com vários colegas. Na semana passada, o senhorio aumentou o valor da renda em 70 euros.

“Estou a perceber que os senhorios estão a fazer disto profissão, estão a aproveitar-se de um direito”, lamentou, relatando que além de viver os efeitos, testemunha-os também nos seus amigos, mas sobretudo nas ruas da zona onde mora, onde encontra cada vez mais pessoas em situação de sem-abrigo.

Cada vez mais pessoas em situação de sem-abrigo

A paisagem ao longo do percurso do protesto comprova esse mesmo cenário e, ao atravessarem a Avenida Almirante Reis, os manifestantes cruzaram-se com dezenas de tendas junto aos prédios, debaixo de arcadas ou no jardim da Igreja de Nossa Senhora dos Anjos.

Passaram também por dezenas de prédios vazios e, por isso, Sandra Fernandes rejeita o argumento de que a solução para a crise na habitação passe, acima de tudo, por novas construções.

“Existem várias casas, mas o uso não é aquele que eu veria para uma Lisboa que precisa de ser habitada”, sublinha.

Sandra diz não ter quaisquer problemas de habitação, mas nem por isso deixou de participar no protesto, entendendo que não se trata de um problema individual, “mas sim coletivo e estrutural”. E em plena pré-campanha para as eleições antecipadas de 10 de março, exige respostas à altura.

Não é a única. Com 87 anos, Amélia Oliveira percorreu os vários quilómetros da marcha até à Baixa de braço dado com a neta, admitindo que é por ela e pelas gerações mais jovens que foi de Benavente até Lisboa para se manifestar e defender que a habitação “tem que ser sempre uma prioridade”.

“Eu tenho habitação, as minhas filhas também têm habitação, mas os meus netos não conseguem”, lamentou a professora reformada que se descreveu como “uma mulher de esquerda e lutadora desde sempre”, para quem as manifestações não são uma novidade.

 Líderes políticos juntam-se ao protesto

Dirigindo-se também aos partidos, a secretária-geral da CGTP-IN, que também participou no protesto, sublinhou a necessidade de assumirem o compromisso de uma política alternativa para a habitação.

“Não podemos ter esta situação em que trabalhadores a tempo inteiro, reformados que trabalharam uma vida inteira agora podem ficar sem casa ou não têm acesso a casa digna. Não pode ser e precisamos de alterar esta política”, defendeu.

Do outro lado, foi esse o compromisso assumido pelos líderes do BE e do PCP, que defenderam o controlo do aumento das rendas, a redução dos juros do crédito à habitação e a imposição de limites ao alojamento local.

“Até agora, foi privilegiado o direito à especulação. Acontece que a especulação não é um direito, é um privilégio e o direito deve ser a habitação”, afirmou a coordenadora do BE, Mariana Mortágua.

Para Paulo Raimundo, o setor da habitação é “o mais liberalizado da economia” e não existem promessas reais que não impliquem “atacar as questões de fundo” e passar o setor das “mãos da banca e dos fundos imobiliários” para “as mãos do povo e do Estado”.

Afirmando que a habitação é “um direito fundamental e não uma mera reivindicação”, também Inês Sousa Real, porta-voz do PAN, defendeu a necessidade de medidas imediatas e “não apenas de médio prazo, como o Governo tem sucessivamente vindo a avançar e a adiar”.

Milhares mostram que "o Porto está na luta" pela habitação

No Porto, também foram milhares de pessoas voltaram a percorrer a rua de Santa Catarina, , para mostrar que “o Porto está na luta” pela habitação, embora a manifestação de sábado tenha tido menos adesão do que a anterior, em setembro.

Palavras de ordem como “Abril exige casa para viver”, “estamos fartos de escolher pagar a renda ou comer” ou “Governo, escuta, o Porto está na luta” foram das mais entoadas ao longo do percurso na rua de Santa Catarina, desde a praça da Batalha até à rua de Fernandes Tomás.

A adesão à manifestação de hoje foi, porém, inferior à de 30 de setembro, em que a PSP estimou terem participado cerca de oito mil pessoas.

“Nós vamos comemorar 50 anos do 25 de Abril e o direito à habitação não é cumprido no nosso país”, disse hoje aos jornalistas Raquel Ferreira, do movimento Porta a Porta – Casa para Todos, na praça da Batalha.

Para a porta-voz do movimento, em véspera de eleições legislativas “é hora de exigir aos partidos políticos um compromisso em que querem realmente resolver o problema da habitação”.

“É uma reivindicação justa e é mais do que urgente estarmos na rua hoje em dia”, referiu, defendendo que “é preciso regular o valor das rendas”, “descer as taxas de juro” do crédito à habitação, “acabar de vez com os vistos ‘gold’ e o regime de isenções fiscais para os grandes fundos imobiliários”.

A crise na habitação é transversal a jovens como a mais velhos, e entre os mais jovens Bárbara Rodrigues, de 21 anos, referiu à Lusa que como estudante, não só observa “exemplos de abusos de senhorio” pelo facto de serem jovens e supostamente serem “inexperientes”, como há “imensos colegas que estão constantemente a mudar de casa porque o senhorio lhes aumenta a renda ou não lhes arranja a casa”.

O protesto, organizado pelo coletivo de mais de 100 associações, repetiu-se em, pelo menos, 19 cidades: Albufeira, Aveiro, Beja, Benavente, Braga, Coimbra, Covilhã, Évora, Faro, Funchal, Lagos, Leiria, Lisboa, Portalegre, Portimão, Porto, Setúbal, Sines e Viseu.

É o terceiro protesto pelo direito à habitação organizado pela Casa Para Viver, que quer marcar a campanha eleitoral para as legislativas antecipadas de 10 de março.

Fonte: Lusa

Habitação

Moradias para comprar até 145 mil euros

Descubra excelentes oportunidades!

Habitação

Câmara de Sintra lança consulta ao mercado para aquisição de habitações

Autarquia pretende reforçar o parque habitacional com aquisição de 100 habitações.

Habitação

Pedidos de despejo cresceram 17% e a maioria foi por incumprimento

O extinto Balcão Nacional de Arrendamento ordenou 1072 desocupações no ano passado.

Leia mais

Profissionais

8 Dicas para ter sucesso numa negociação imobiliária

Descubra estratégias infalíveis para melhorar a sua técnica.

Profissionais

Imobiliário representa mais de metade do investimento direto estrangeiro

Em 2023, as transações de investimento direto estrangeiro em Portugal totalizaram 6,8 mil milhões de euros.

Construção

Setor da construção acorda nova tabela salarial para 2024

O acordo de revisão do Contrato Coletivo de Trabalho do setor prevê retribuições mínimas entre 820 e 1.350 euros.

Gastronomia

Restaurantes portugueses recebem novas estrelas Michelin

O Antiqvvm, no Porto, passou a ter duas estrelas e quatro novos restaurantes receberam a distinção.