Créditos

Marcelo pede reflexão sobre créditos à habitação

Maio 8, 2023 · 9:52 am
Marcelo Rebelo de Sousa/ Agência Lusa, CC BY 3.0 , via Wikimedia Commons

O Presidente da República considerou, ontem, essencial uma reflexão sobre crédito à habitação em matéria de prazos, taxas e prestações, salientando as nefastas consequências sociais resultantes da subida dos juros e o atual período positivo da banca.

Esta advertência foi transmitida por Marcelo Rebelo de Sousa em declarações aos jornalistas, após ter visitado o Banco Alimentar Contra a Fome (BA), em Alcântara, em Lisboa, onde chegou por volta das 23:00 e foi recebido pela presidente Isabel Jonet.

Portugueses dependem do crédito bancário

“No plano interno há uma questão que merece reflexão, já que os portugueses dependem muito de empréstimos bancários, estando ao nível europeu entre aqueles que têm uma aposta muito grande na aquisição de casa própria e com empréstimos de curto prazo. Isso tem levado a uma punição maior, até porque não há uma fixação rígida das taxas e das prestações, que vão sendo atualizadas à medida que a taxa de juro vai subindo”, apontou o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa disse aguardar-se por uma descida progressiva da inflação, mas referiu que “é evidente que o crédito à habitação é um problema que deve provocar uma reflexão sobre os prazos, as taxas e as prestações”.

“Há aí um problema que um destes dias tem de se colocar é que o sistema financeiro, nomeadamente a banca, teve problemas complicados, [mas] neste momento está num período menos complicado. Em termos de crédito malparado está num período mais positivo”, observou.

Ou seja, deve-se questionar “até onde deve continuar a ir a banca no sentido de compensar os anteriores períodos negativos com este [atual] período positivo”.

Banca portuguesa com margens superiores à média europeia

O Presidente da República disse que teve acesso a números, embora não dê como garantido o seu caráter exato, segundo os quais a banca “acabou por ter uma margem de proveito no crédito à habitação claramente superior à média europeia”.

Logo a seguir, no entanto, ressalvou que em anos anteriores a banca também teve problemas superiores à média europeia.

Ainda em relação às consequências sociais da subida das taxas de juro, o chefe de Estado referiu que “há mais de um milhão de contratos de crédito à habitação, o que significa entre dois a três milhões de portugueses com esse problema”.

“É muita gente e é pesado, se tirarmos a faixa da pobreza que está nos dois milhões”, assinalou.

Interrogado sobre a linha de aumento das taxas de juro por parte do Banco Central Europeu, Marcelo Rebelo de Sousa sustentou que esta instituição com sede em Frankfurt “tem medo de ir para uma política menos dura em termos de subida das taxas de juro e com isso dar um sinal negativo em relação à inflação”.

“Mas o BCE também percebe que está a travar a economia. Portanto, está no meio da ponte. Depois, há tendências contraditórias. Em alguns países a inflação desce, mas em outros não”, acrescentou.

Fonte: Lusa

Dinheiro

Preço mediano da habitação sobe 5% no 1.º trimestre para 1.644 euros/m2

Os preços de habitação mais elevados são em Lisboa, em Cascais e Oeiras.

Créditos

Reembolsos antecipados e renegociações disparam em 2023

As renegociações no crédito à habitação resultantes de alterações contratuais subiram 271,6%, avança o Banco de Portugal.

Dinheiro

Diminuíram as transações de alojamentos no arranque do ano

Apesar da diminuição nas transações de alojamentos, o Índice de Preços da Habitação registou um crescimento de 7%.

Leia mais

Dicas

10 atividades ao ar livre perfeitas para as férias em família

Ideias originais para animar o seu verão!

Turismo

Proveitos totais do alojamento turístico subiram 12,2% até maio

Nos primeiros cinco meses do ano foram registados 11,3 milhões de hóspedes e 27,7 milhões de dormidas em Portugal.

Decoração

Como transformar um imóvel comum numa casa de luxo sem gastar muito

Saiba como criar um ambiente mais sofisticado em sua casa.

Dinheiro

Preço mediano da habitação sobe 5% no 1.º trimestre para 1.644 euros/m2

Os preços de habitação mais elevados são em Lisboa, em Cascais e Oeiras.