Habitação

Mais de um terço dos portugueses gasta mais de 30% do rendimento com a casa

Fevereiro 6, 2024 · 3:57 pm
Foto de Freguesia de Estrela na Unsplash

Mais de um terço (36,4%) dos inquiridos num estudo do Observatório da Sociedade Portuguesa refere gastar mais de 30% do rendimento do agregado familiar com arrendamento ou pagamento de prestações de casa.

O estudo decorreu entre julho e novembro de 2023 e teve como objetivo avaliar as perceções dos portugueses relativamente a temas atuais, entre os quais a crise na habitação.

Taxa de esforço dos inquiridos diminui

Comparando estes resultados aos obtidos em julho de 2023, verificou-se em novembro do ano passado uma diminuição de 4,5 pontos percentuais (pp) dos inquiridos cujo agregado familiar dedica 31 a 50% do seu rendimento a gastos com renda ou prestações da casa.

Por outro lado, aumentou ligeiramente tanto o número de participantes que dizem alocar 0% dos seus rendimentos como os que dizem destinar entre 11 a 20% do rendimento do seu agregado familiar a este tipo de gasto, (+1,3 pp e +3,4 pp, respetivamente).

A análise do Observatório de Sociedade Portuguesa da Católica-Lisbon refere também que 16,2% dos inquiridos indica não ter qualquer encargo com renda ou prestações de crédito à habitação.

“Verifica-se, portanto, uma diminuição da taxa de esforço dos agregados familiares portugueses entre julho de 2023 e novembro de 2023, que poderá ser explicada por diferentes apoios estabelecidos pelo Estado, como por exemplo o apoio extraordinário à renda, a moratória do crédito à habitação ou a bonificação temporária de juros”, salienta.

Maioria preocupada com situação da habitação

Questionados se os preços das habitações na localidade de residência subiram no último ano, 95,4% consideram que sim, com 30,6% a afirmarem que aumentaram bastante e 64,8% a dizer que aumentaram muito.

Apenas 0,1% dos inquiridos consideram que os preços não têm aumentado, refere o estudo, assinalando ainda um aumento de 1,8 pontos percentuais em novembro de 2023 dos que consideram que os preços na sua localidade aumentaram muito no último ano.

A grande maioria (91,1%) revela preocupação com a situação habitacional em Portugal, enquanto 59,9% dos inquiridos demonstram estar muito preocupados e 3,7% pouco a nada preocupados.

As conclusões do estudo apontam ainda que 62,6% dos inquiridos indicam residir em casa própria, 27,1% em casa arrendada e 10,3% estão noutra situação.

A amostra contou com a participação de 1.000 inquiridos, com idades entre os 20 e os 75 anos, que, em comparação com proporções nacionais recolhidas no Censos 2021, “está bastante semelhante, apenas com uma proporção superior de indivíduos entre 50 e 59 anos e uma proporção inferior de adultos entre 60 e 69 anos, dadas as características de recolha do painel de estudos online”.

Fonte: Lusa

Créditos

Quanto pago de juros na prestação da casa?

Taxa de juro implícita na habitação atinge novo máximo.

Habitação

Inquilinos com prestações sociais considerados como tendo carência de meios nos despejos

Diploma clarifica critérios para aferir situação de carência no âmbito do procedimento especial de despejo.

Alojamento Local

Alojamento local denuncia em Bruxelas conflitos do Mais Habitação com legislação europeia

A Associação do Alojamento Local de Portugal considera que pacote legislativo tem medidas "cegas e desproporcionais".

Leia mais

Dicas

Os melhores vídeos dos nossos animais de estimação

Gargalhadas e disparates: no Dia dos Animais de Estimação, mime o seu!

Habitação

Renda acessível chega a rendimentos mais altos

O rendimento máximo anual para apoio ao arrendamento sobe a partir de hoje.

Créditos

Quanto pago de juros na prestação da casa?

Taxa de juro implícita na habitação atinge novo máximo.

Gastronomia

Receitas deliciosas em menos de 30 minutos

Descubra ideias simples e saudáveis.