Habitação

Habitação: Governo vai aliviar taxas de juro nos créditos à habitação e alargar bonificação

Setembro 21, 2023 · 10:05 am
Foto de Czapp Árpád no Pexels

A habitação é o tema central do Conselho de Ministros de hoje, dia em que está também em destaque no parlamento, onde a lei que agrega as medidas do Mais Habitação vai ser reapreciada, após o veto presidencial.

O Conselho de Ministros vai aprovar na reunião de hoje duas medidas para aliviar o peso do crédito à habitação nos orçamentos das famílias. O Executivo quer estabilizar durante dois anos as prestações bancárias, com um indexante de 70% da Euribor com referência a seis meses. Por outro lado, vai alargar e simplificar a bonificação do crédito à habitação.

Novos apoios às famílias

No último Conselho de Ministros, no dia 14, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, anunciou que o Governo vai aprovar, na reunião de hoje, “novas respostas” de apoio às famílias que enfrentam problemas com créditos à habitação e rendas de casa.

Depois de divulgados os números da inflação de agosto, que apontam para que o valor das rendas possa aumentar 6,94% em 2024, caso não se fixe de novo um limite à atualização, o primeiro-ministro, António Costa, disse que o Governo estava a avaliar o valor do travão a aplicar às rendas, sublinhando que teria de ser adotada uma “solução equilibrada”.

Hoje deverá também ser aprovado um diploma que clarifica os critérios de atribuição do apoio à renda, no que diz respeito à tipologia de rendimentos considerados para efeitos de cálculo do apoio.

Mais Habitação volta ao Parlamento

Também hoje, o pacote Mais Habitação – na agenda política desde 16 de fevereiro, quando foi apresentado pelo Governo – regressa à Assembleia da República para reapreciação, na primeira meia hora do plenário, agendado para as 15:00.

O programa foi aprovado em julho com o voto favorável apenas dos deputados do PS, mas depois vetado pelo Presidente da República, em agosto. Marcelo Rebelo de Sousa expressou um “juízo negativo” às medidas propostas pelo Governo e criticou a ausência de consenso sobre o Mais Habitação.

O PS, com maioria absoluta, anunciou então que voltará a aprovar a proposta, sem ter feito qualquer alteração, e a ministra da Habitação, Marina Gonçalves, assinalou que a proposta do executivo “foi maturada” e teve em atenção as diferentes opiniões. “O parlamento já se pronunciou”, recordou.

Medidas polémicas do Mais Habitação

As medidas mais polémicas e contestadas do Mais Habitação passam pela suspensão do registo de novos alojamentos locais fora dos territórios de baixa densidade e por uma contribuição extraordinária sobre este negócio, pelo arrendamento forçado de casas devolutas há mais de dois anos e pela imposição de um limite no valor dos novos contratos de arrendamento para casas que já estão no mercado.

O pacote prevê igualmente uma isenção da tributação de mais-valias aos proprietários que vendam casas ao Estado, o fim de novos vistos ‘gold’, o aumento da dedução por dependente no âmbito do IMI Familiar, alterações à taxa autónoma dos rendimentos prediais e isenções de impostos para proprietários que retirem as casas do alojamento local até ao fim de 2024.

Eventual travão às rendas em análise

Entretanto, a ministra da Habitação convocou, para hoje à tarde e sexta-feira de manhã, as associações de inquilinos e de proprietários, as centrais sindicais UGT e CGTP e a Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor para as ouvir sobre a atualização das rendas para 2024 e as regras para os contratos anteriores a 1990.

“O Governo quer ouvir os vários intervenientes no setor para ponderar os efeitos que a inflação estimada para o próximo ano terá no mercado de arrendamento”, justificou a tutela.

A previsão de uma atualização das rendas em quase 7% desencadeou várias reações políticas e do setor, com a Associação Lisbonense de Proprietários a alertar para o resultado “dramático” de um novo congelamento das rendas, enquanto a Associação dos Inquilinos Lisbonenses rejeita um novo aumento.

Tanto BE como PCP já anunciaram projetos-lei que propõem limites ao aumento das rendas.

A crise na habitação uniu a sociedade civil na plataforma “Casa para viver”, que respondeu às medidas do Governo com uma manifestação, em 01 de abril, com milhares de pessoas nas ruas. O próximo protesto, agora sob o lema “Casa para viver, Planeta para habitar”, está marcado para 30 de setembro e pelo menos nove cidades do país já aderiram.

Fonte: Redação/ Lusa

Leia mais

Habitação

Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa

Estudo da JLL destaca capital portuguesa entre 40 cidades europeias.

Habitação

Descubra quanto gastam os portugueses em habitação

Encargos com habitação com mais importância relativa na despesa média das famílias.

Habitação

Segurança e abertura são “pontos fortes” de Lisboa

O Barómetro de Cidades Inclusivas analisa o desempenho de 46 cidades em quatro dimensões de inclusão.

Créditos

Taxa de juro implícita diminui pelo quarto mês consecutivo

Os juros representaram 61% da prestação média do crédito à habitação em maio.