Créditos

Governo quer travar fraude no apoio aos juros bonificados

Outubro 20, 2023 · 2:16 pm
Foto de Rook of Arts na Unsplash

O Ministério das Finanças está preocupado com eventuais fraudes no benefício da bonificação dos juros no crédito à habitação. De acordo com notícia do Expresso, o Governo aproveitou a mudança na legislação para apertar o cerco à eventual subdeclaração de rendimentos e património que permita acessos indevidos ao regime.

Bancos devem avaliar clientes

Apesar de o universo de eventuais transgressores ser limitado, a nova legislação obriga os bancos a uma avaliação mais criteriosa dos clientes que pretendam aceder à bonificação e cujas prestações em crédito excedam o rendimento declarado, isto é, quando a taxa de esforço ultrapassa os 100%.

Quando o Executivo decidiu, no mês passado, facilitar o acesso à bonificação dos juros, ampliando o valor da ajuda e o universo de beneficiários, incluiu um novo artigo na legislação, Este impondo aos bancos um “dever de diligência reforçado”, que visa limitar eventuais abusos e já é obrigatório em matéria de branqueamento de capitais.

Taxas de esforço superiores a 100% sob escrutínio

Se um cliente tem um crédito à habitação com uma taxa de esforço igual ou superior a 100% e solicita ao Estado o apoio no pagamento de parte dos juros das suas prestações, os bancos são obrigados a solicitar mais documentação. O artigo adicionado ao Decreto-Lei nº 20-B/2023 diz que “as instituições aplicam medidas acrescidas de diligência, solicitando os documentos e as informações que considerem adequadas para verificar os requisitos para a atribuição da medida”.

É pertinente que as entidades investiguem os meios de subsistência de uma pessoa que tem rendimentos inferiores à prestação do crédito e não declara a existência de património, dado que o regime da bonificação impõe limites aos rendimentos (6º escalão de IRS, €38.632 anuais) e ao património (€29,8 mil).

IGF vai fiscalizar

Porém, a lei vai além deste pedido reforçado de informação: os bancos “informam o mutuário de que as entidades responsáveis pela fiscalização do presente decreto-lei podem aceder à informação necessária para confirmar a veracidade das declarações prestadas”.

As Finanças têm mais informação para detetar estes casos de fraude uma vez que os bancos não têm dados sobre possível património (ações, depósitos e afins) que os clientes possam ter noutras entidades. A legislação agora atualizada coloca a fiscalização nas mãos do universo governamental, cabendo à Inspeção-Geral de Finanças a auditoria aos montantes pagos.

Naturalmente, é necessário distinguir entre casos fraudulentos e situações em que pode haver ajuda de terceiros no pagamento das prestações.

Créditos

Reembolsos antecipados e renegociações disparam em 2023

As renegociações no crédito à habitação resultantes de alterações contratuais subiram 271,6%, avança o Banco de Portugal.

Créditos

Prestação da casa desce em julho para todos os prazos

A descida mais expressiva ocorre nos contratos indexados à Euribor a 12 meses.

Créditos

Avaliação da habitação aumentou 14 euros em maio

O valor mediano da habitação fixou-se nos 1.610 euros por metro quadrado.

Leia mais

Dicas

10 atividades ao ar livre perfeitas para as férias em família

Ideias originais para animar o seu verão!

Turismo

Proveitos totais do alojamento turístico subiram 12,2% até maio

Nos primeiros cinco meses do ano foram registados 11,3 milhões de hóspedes e 27,7 milhões de dormidas em Portugal.

Decoração

Como transformar um imóvel comum numa casa de luxo sem gastar muito

Saiba como criar um ambiente mais sofisticado em sua casa.

Dinheiro

Preço mediano da habitação sobe 5% no 1.º trimestre para 1.644 euros/m2

Os preços de habitação mais elevados são em Lisboa, em Cascais e Oeiras.