Habitação

Empreendimento turístico e imobiliário previsto para as traseiras do Stop no Porto

Julho 21, 2023 · 10:44 am
Centro Comercial Stop/ Imagem do Google Street View

O Centro Comercial Stop, cujas lojas estavam arrendadas na maioria por músicos e que fechou na terça-feira, poderá ter como vizinho, nas traseiras, um empreendimento turístico e imobiliário no Quarteirão da Oficina do Ferro, segundo projetos já tornados públicos.

Em julho do ano passado, a IME – Imóveis e Empreendimentos Hoteleiros promoveu um Concurso de Conceção em parceria com a Ordem dos Arquitetos – Secção Regional do Norte, que permitisse “fazer uma reflexão sobre o melhor enquadramento conceptual para um eventual futuro investimento naquela área”.

“Em termos programáticos, pretende-se a conceção de um hotel, de apartamentos turísticos e de habitação acessível, nos termos do estabelecido no Programa Preliminar do concurso”, pode ler-se no mesmo, disponível no ‘site’ dedicado ao concurso.

Área de intervenção não inclui Stop

De acordo com os anexos do concurso consultados pela Lusa, a área de intervenção não inclui o Centro Comercial Stop, mas uma das entradas para o empreendimento será feita no edifício contíguo, onde já existe um portão que dá acesso ao quarteirão em causa.

Além dos terrenos nas traseiras do Stop, naquela zona a IME é também proprietária do hotel Eurostars Heroísmo, precisamente na mesma rua do centro comercial, segundo o seu ‘site’.

“A área de intervenção tem atualmente um acesso pela Rua do Heroísmo e terá futuramente outro pela Rua do Barão de Nova Sintra, fixando, assim, dois pontos de conexão com a estrutura viária diretamente envolvente e existente, e que servirão a intervenção”, pode ler-se nos documentos do concurso.

O administrador de condomínio do centro comercial Stop disse ontem à Lusa que o dono da empresa hoteleira IME, gestora do Eurostars Heroísmo e dona do terreno nas traseiras, manifestou interesse no espaço, mas sem apresentar propostas.

A Lusa questionou a IME – Imóveis e Empreendimentos Hoteleiros sobre contactos com o administrador do Stop e sobre o empreendimento nas traseiras do centro comercial denominado Quarteirão da Oficina do Ferro, e aguarda resposta.

No quarteirão situava-se a chamada Quinta dos Oliveiras, e em 1917 a “a Empreza Ferro Esmalte, Limitada, decide edificar uma fábrica e todas as estruturas de apoio” no local. Em 1920 e 1922 a Companhia Metalúrgica do Norte procede a “alterações da entrada pela Rua do Heroísmo”, e em 1934, as instalações são adaptadas pela Manuel Alves de Freitas & Companhia a Palácio Ford, como ainda hoje é conhecido, “com motores de automóveis, camiões e aviões, para além de tratores”, de onde saíram três Ford V8 de competição conduzidos pelo cineasta Manoel de Oliveira, por Giles Holroyd e por Eduardo Ferreirinha.

Novo projeto privilegia tipologias T0 e T1

Para o novo projeto, um pedido de esclarecimento de um concorrente assinalava a “prevalência unicamente de pequena tipologia (T0 e T1)” para alojamentos turísticos e habitação acessível, questionando que se “a enorme carência de habitação na cidade é sentida sobretudo pelas famílias de classe média que procuram casas com áreas maiores do que as de um T1”, não seria possível “equacionar outras tipologias para alargar o leque de oferta a agregados familiares com mais de duas pessoas”.

Na resposta, o júri referiu que “foram escolhidas as tipologias T0 e T1 com o fim único de avaliar a capacidade dos concorrentes em propor um modelo de habitação na área de intervenção”, mas o promotor poderia “futuramente optar por tipologias diversas”.

Júri criticou “fragilidade” das propostas

O concurso, que teve três concorrentes, foi ganho pelos arquitetos Rafael Montes e Miguel Acosta com uma percentagem de 41%, mas o júri “lamentou que as propostas de intervenção apresentadas não correspondam ao desafio lançado no campo disciplinar da arquitetura, também pela oportunidade que representa para a cidade, sua transformação e evolução futura”.

“Manifestou-se, assim, pela fragilidade das três propostas apresentadas, as quais revelam um fraco entendimento do lugar, não estabelecendo relações com o tecido urbano envolvente”, refere o relatório, que não obriga à adoção da proposta vencedora para o terreno.

Na quarta-feira, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, garantiu que não vai autorizar a construção de “nenhum hotel” no local do centro comercial Stop e que a compra do edifício pela autarquia não é viável, algo que reiterou hoje.

Na terça-feira, o administrador de condomínio do Stop, Ferreira da Silva, disse que o centro comercial não pode ser vendido como um todo, devido à propriedade do mesmo ser partilhada pelos donos das lojas.

Fonte: Lusa

Habitação

Lisboa aposta em construção mas deve prosseguir com reabilitação

Em 2023, a autarquia licenciou mais fogos reabilitados do que nova construção.

Habitação

Porta 65 Jovem com novas regras de acesso

Presidente da República promulgou o diploma do Governo que alarga o acesso ao Porta 65 Jovem.

Habitação

Governo vai apresentar revisão da lei dos solos no próximo mês

A revisão da lei pretende acelerar respostas para criar mais habitação acessível e a preços controlados.

Leia mais

Habitação

Lisboa aposta em construção mas deve prosseguir com reabilitação

Em 2023, a autarquia licenciou mais fogos reabilitados do que nova construção.

Dinheiro

Rendas das casas sobem 7,1% em maio

Lisboa registou o maior aumento, de acordo com o INE.

Profissionais

Contagem decrescente para a V Conferência da Promoção Imobiliária

A Secretária de Estado da Habitação, Patrícia Gonçalves Costa, discursa no início da tarde na Conferência da Promoção Imobiliária.

Habitação

Porta 65 Jovem com novas regras de acesso

Presidente da República promulgou o diploma do Governo que alarga o acesso ao Porta 65 Jovem.