Turismo

Dormidas no turismo crescem 18,8% no 1.º semestre e superam níveis de 2019

Agosto 14, 2023 · 11:42 am
Imagem de Alex Teixeira no Unsplash

As dormidas no turismo cresceram 18,8% no primeiro semestre, superando pela primeira vez os níveis de 2019, antes da pandemia, correspondendo a aumentos de 31,8% nos proveitos totais e 34% nos relativos a aposento, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com a autoridade estatística, que publicou os dados da atividade turística, “no primeiro semestre de 2023, as dormidas cresceram 18,8% (+7,7% nos residentes e +24,2% nos não residentes), a que corresponderam aumentos de 31,8% nos proveitos totais e 34,0% nos relativos a aposento (+38,3% e +41,7%, respetivamente, comparando com o mesmo período de 2019)”.

Dormidas ultrapassam período pré-pandemia

Comparando com o mesmo período de 2019, as dormidas aumentaram 11% (+11,6% nos residentes e +10,7% nos não residentes), tratando-se da primeira vez, desde o início da pandemia, que o número de dormidas (total e de não residentes) no primeiro semestre superou os níveis de 2019.

Considerando a generalidade dos meios de alojamento (estabelecimentos de alojamento turístico, campismo e colónias de férias e pousadas da juventude), registaram-se 14,5 milhões de hóspedes e 36,7 milhões de dormidas no primeiro semestre de 2023, correspondendo a crescimentos de 20,9% e 18,7%, respetivamente.

Em termos regionais, apenas no Algarve se registaram decréscimos, quer nas dormidas de residentes (-3,1%) quer nas de não residentes (-0,3%).

Receitas atingem valores recorde

Numa análise ao mês de junho, o setor do alojamento turístico registou 2,9 milhões de hóspedes (+7,1%) e 7,4 milhões de dormidas (+3,7%), correspondendo a 622,1 milhões de euros de proveitos totais (+14,0%) e 480,6 milhões de euros de proveitos de aposento (+15,5%).

Comparando com junho de 2019, registaram-se aumentos de 33,5% nos proveitos totais e 35,5% nos relativos a aposento.

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) situou-se em 78,1 euros e o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 123,1 euros (+11,6% e +11,7%, respetivamente). Em relação a junho de 2019, registaram-se aumentos de 25,8% e 26,1%, pela mesma ordem.

Na Area Metropolitana de Lisboa e no Norte, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu novos máximos históricos (152,6 euros e 113,0 euros, respetivamente).

Em junho, entre os municípios com maior representatividade no total de dormidas, Albufeira continuou aquém dos níveis registados em 2019 (-10,2% no total; -26,6% nos residentes e -5,2% nos não residentes).

Já Vila Nova de Gaia e o Porto destacaram-se, com crescimentos de 30,6% e 25,1%, respetivamente, face a 2019.

Fonte: Lusa

Turismo

Unidades hoteleiras perspetivam taxa de ocupação acima dos 70% na Páscoa

Turistas portugueses lideram a procura nos principais mercados nacionais.

Turismo

Portugal arrecada 31 “óscares” europeus do turismo

Na gala europeia dos "World Travel Awards", vários destinos nacionais foram distinguidos.

Turismo

Bolsa de Turismo de Lisboa tem melhor edição de sempre

O número de visitantes ultrapassou a edição de 2023 da Web Summit, avança a organização.

Leia mais

Créditos

Bancos devolveram 8,3 ME por comissões e juros indevidos

Reclamações de clientes bancários dispararam no ano passado.

Habitação

Loures vai ter 152 novas casas a custos controlados

O município constrói um projeto de habitação a custos controlados financiado pelo PRR. O montante do investimento ascenderá a cerca de 22 milhões de euros.

Créditos

Bancos só aceitaram um terço dos pedidos de fixação da prestação

O número de créditos à habitação em risco de incumprimento aumentou de forma significativa em 2023, segundo o Banco de Portugal.

Habitação

As casas mais baratas para arrendar em Portugal

Descubra oportunidades de norte a sul!